segunda-feira , 10 dezembro 2018
Home / Saúde / Brasil gasta menos com saúde que desenvolvidos e despesa pressionará teto
Anuncie Aqui!

Brasil gasta menos com saúde que desenvolvidos e despesa pressionará teto

O levantamento mostra que os gastos com saúde tiveram um crescimento real de 31,9% nos últimos dez anos (Foto: Divulgação)

 

Apesar do crescimento nos gastos com saúde na última década, o Brasil ainda distante do patamar de despesas com a área nos países desenvolvidos. A conclusão está no estudo “Aspectos Fiscais da Saúde no Brasil” que foi divulgado nesta quinta-feira dia (1º), pelo Tesouro Nacional. O documento admite ainda que emenda do teto de gastos tornou ainda mais desafiadora a dinâmica futura das despesas na área.

O levantamento mostra que os gastos com saúde tiveram um crescimento real de 31,9% nos últimos dez anos, com uma média de expansão anual de 3,1% entre 2008 e 2017. No mesmo período, a Receita Corrente Líquida cresceu apenas 6,7%. Com isso, a participação das despesas com saúde em proporção da receita corrente passou de 6,7% para 8,3%.

Mas, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), o crescimento do gasto com a área foi de apenas 0,2 pontos porcentuais nos últimos dez anos. As despesas na área passaram de 1,6% do PIB em 2008 para 1,8% do PIB em 2017. No ano passado, os desembolsos federais em saúde somaram R$ 117,1 bilhões.

Considerando também dos desembolsos de Estados e municípios, o gasto do País na área foi equivalente a 3,8% do PIB no ano passado, de acordo com levantamento do Banco Mundial. Apesar de estar melhor que a média da América Latina e Caribe (3,6%), o Brasil ainda ocupa a 64ª posição em um ranking com 183 nações. Os países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – grupo do qual o Brasil deseja fazer parte – gastaram em média 6,5% do PIB com saúde em 2017.

Teto

Aprovado no fim de 2016, o regime do teto de gastos limita a expansão das despesas primárias à variação da inflação em 12 meses até junho do ano anterior. Em tese, o gasto com saúde não precisa respeitar esse limite, mas está dentro do limite global do orçamento federal. Ou seja, para que o gasto com saúde aumente acima da inflação, é necessário cancelar despesas em outras áreas.

O problema é que a saúde sofre forte pressão por elevação de despesas, porque os custos dos serviços da área têm uma inflação bem superior à da média da economia. Além disso, a dinâmica de envelhecimento da população deve pressionar ainda mais o orçamento para a área.

“A dinâmica futura das despesas em saúde torna-se ainda mais desafiadora em um contexto de limitação do crescimento dos gastos públicos e de ajuste fiscal. Dessa forma, é fundamental o debate sobre maneiras de aumentar a eficiência e a equidade do gasto em saúde.”, avaliou o Tesouro.

O Tesouro estima que a demanda por despesas primárias da União com saúde terá crescimento real de 25,9% os próximos 10 anos, ou cerca de apenas 2,6% por ano. Com isso, as despesas federais devem ficar estáveis em relação ao PIB no período. O órgão também apresenta um cenário de expansão para o gasto que contempla um crescimento real de 37,0% no período, ou cerca de 3 6% ao ano.

“Dessa forma, o crescimento superior à inflação resultaria em um cenário de pressão sobre o teto de gastos, na medida em que a despesa primária da União na área de saúde, que em 2017 atingiu 8,7% do teto, passaria, em 2027, a representar 11,5% no Cenário Base e 12,6% no Cenário de Expansão”, conclui o Tesouro.

Fonte: Estadão Conteúdo

Comentários no Facebook

Veja Também

Pediatras brasileiros criticam investida dos EUA contra amamentação

  Após investida dos Estados Unidos para mudar uma resolução da Organização Mundial de Saúde ...

Website Design Company in BangladeshHigh Risk Solutions Merchant Account Services