domingo , 17 junho 2018
Home / Cidades / Polícia / Laudo contesta suicídio e aponta que empresária foi assassinada; marido confessa crime
Anuncie Aqui!

Laudo contesta suicídio e aponta que empresária foi assassinada; marido confessa crime

O crime ocorreu dentro da casa onde a vítima morava (Foto: Mário Souza/DM)

 

A empresária Jeruza Helena Torres Nakamine, 51, encontrada morta dentro de casa, na rua Luanda, no conjunto Campos Elíseos, bairro Planalto, Zona Centro-Oeste de Manaus, no dia 12 de abril de 2018, foi assassinada com várias perfurações de faca, diferente do que havia sido divulgado como suicídio. Segundo a polícia, o marido confessou o crime, em depoimento, na tarde de segunda-feira (11).

De acordo com o delegado Jeff David Mac Donald, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), o laudo de exame de necropsia assinado pelo perito médico-legista Roberto Trindade Levinthal, concluído no dia 9 de maio deste ano, comprova que Jeruza não cometeu suicídio. Pela rigidez cadavérica, a morte ocorreu há mais de cinco horas.

 

Jeruza foi morta com diversas facadas dentro de casa pelo marido (Foto: Divulgação)

 

Conforme a requisição policial, a vítima recebeu, pelo menos, 14 golpes de faca, tendo sua morte causada por choque hipovolêmico, lesão de vasos cervicais e esgorjamento [lesão incisa localizada no pescoço]. A vítima foi morta despida, mas teve peças intimas colocada antes da chegada da equipe do Departamento de Polícia Técnico-Científica (DPTC).

Após a conclusão do laudo, as investigações foram iniciadas pela DEHS. Ivan Rodrigues das Chagas, 56, acompanhado de um advogado, prestou esclarecimentos sobre o caso e confessou a autoria. Ao término do depoimento, Ivan deixou o prédio da unidade policial.

Ainda na tarde de segunda-feira, familiares estiveram no prédio da especializada m buscas de respostas. Os parentes e amigos próximos a Jeruza informaram que Ivan tinha duas amantes. A empresária teria descoberto as traições e pedido a separação, mas Ivan não teria concordado.

Segundo os familiares, uma das amantes, identificada como Silvana Castelo Branco, 50, mantinha há dez anos relacionamento afetivo com Ivan. Após Jeruza descobrir a traição, o empresário, pois um fim na relação com Silvana, e passou a ter romance com a secretária da empresa J.H. Torres Nakamine, Tássia Souza.

Enciumada, a ex-amante Silva, começou a enviar mensagens instantâneas para Jeruza, informando os locais frequentados pelo empresário com a nova amante, bem mais nova. Muitas dessas mensagens continha ameaças.

Após a morte da empresária, Ivan ingressou no dia 19 de abril de 2018, na Vara de Órfãos e Sucessões do Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, pedido de liminar para expedição de alvará judicial visando autorização para administração e gestão da empresa J.H. Torres Nakamine, mas teve o recurso negado.

No sexto dia de junho, Ivan entrou na 2ª Vara da Família do Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, com uma ação de reconhecimento de união estável, cumulada com partilha de bens ou indenização, mas o pedido também foi negado pela Justiça.

Agora, o delegado Jeff David Mac Donald, aguarda a conclusão do inquérito para expedir mandado de prisão em nome de Ivan.

Comentários no Facebook

Veja Também

Jovem é executada com 16 tiros em possível acerto de contas, no bairro Compensa

  A ex-presidiária Ana Karolina da Silva Alves, 21, foi executada com 16 tiros, na ...

High Risk Merchant Account